Dúvidas sobre o curso

Respostas referentes às principais dúvidas sobre o Curso Livre de Capacitação em Psicanálise.

1 – O Curso tem registro no MEC?
Não. Nem o nosso e nem os demais cursos de capacitação em Psicanálise existentes no País. Não existem, cursos de Psicanálise no âmbito universitário e sim Especialização Lato Sensu. Portanto, nenhum curso de psicanálise é reconhecido pelo MEC, devido a Psicanálise ser uma teoria e não uma ciência como a Psicologia ou a Psiquiatria Concluída, o psicanalista recebe um Certificado expedido pela ‘’SPOB – Sociedade Psicanalista Ortodoxa do Brasil’’ este Certificado é reconhecido em todo território nacional.

2- Quem é o Psicanalista junto á clientela e ao Ministério do Trabalho?
É um profissional que pratica a Psicanálise em consultórios, clínicas e até hospitais, empregando metodologia exclusiva ao bom exercício da profissão, quais sejam, as técnicas e meios eficazes da psicanálise no tratamento das psiconeuroses. Para atingir plenamente seus objetivos, o psicanalista deve ser uma pessoa com sólida capacitação humanitária, visto que a profissão requer uma acentuada cumplicidade entre analista e seu paciente. Os psicanalistas têm sua profissão classificada na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) no Ministério do Trabalho – Portaria nº 397/TEM de 09/10/2002, sob o nº 2515.50, podendo exercer sua profissão em todo o Território Nacional.

3 – Por que o Curso é aberto às várias profissões?
É aberto porque nenhuma Lei especificou o contrário. Vale dizer, que desde o princípio era uma profissão aberta a quem se interessasse e que atraiu não só médicos – como Jung e Adler – mas também advogados, filósofos, literatos, educadores e teólogos, sociólogos e pedagogos. Por isso restringir a Psicanálise a essa ou àquela profissão é absolutamente contrário à ciência, ilegal e inconstitucional, pois “todos são iguais perante a Lei”.

4 – O que regulamenta a profissão de Psicanalista?
No Brasil e no Mundo a psicanálise é exercida livremente e não é uma profissão regulamentada. Sendo assim, é uma profissão livre, reconhecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (CBO – código 2515.50), amparada pelo Decreto nº 2.208 de 17/04/1997, que estabelece Diretrizes e Bases da Educação Nacional e pela Constituição Federal nos artigos 5º incisos II e XIII. Repisando: pode ser exercida em todo o País.

5 – Quem poderá fazer o curso?
Médicos, Professores, Engenheiros, Odontólogos, Advogados, Assistentes Sociais, Pedagogos, Teólogos, Enfermeiros, Pastores, Padres, Psicólogos, Contadores, etc. Este curso é dirigido a todos os interessados em adquirir conhecimentos mais profundos em Psicanálise. Aos que querem aprender a dinâmica de seus problemas emocionais e afetivos de acordo com as teorias psicanalíticas, e aos que desejam dedicar-se à Psicanálise como Terapeutas e Clinicar.

6 – O certificado de conclusão do curso de Psicanálise é reconhecido em todo o território nacional?
O certificado é válido para que você atue como psicanalista em todo território nacional sem problemas legais.

7 – Ao terminar o curso posso abrir um consultório e trabalhar como psicanalista?
Concluído o curso de Psicanálise, e consequentemente todas as suas exigibilidades, você terá um diploma que lhe dará o título de Psicanalista. Permitindo que você abra um consultório e trabalhe legalmente como tal.

8 – Ao terminar um curso livre de CAPACITAÇÃO EM PSICANÁLISE poderei clinicar como PSICANALISTA?
SIM. A profissão de PSICANALISTA em nosso pais é LIVRE e qualquer pessoa que possua uma capacitação em psicanálise pode clinicar e trabalhar legalmente com a psicanálise. O que existem são pressões morais e não legais de alguns profissionais da área da saúde, principalmente médicos e psicólogos, que tentam impedir o trabalho profissional do PSICANALISTA, mas isto é somente algo de cunho político. Porque legalmente nada pode ser feito contra o exercício da PSICANÁLISE no Brasil.

9 – Quem é o Psicanalista dentro das leis brasileiras?
O PSICANALISTA dentro das leis brasileiras é um profissional que trabalha em consultório, clínicas e afins seguindo a metodologia terapêutica desenvolvida por Freud ou pelos seus seguidores (neo-freudianos). Os Psicanalistas no Brasil são formados através de curso livres e são classificados na CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE OCUPAÇÕES (CBO) do MINISTÉRIO DO TRABALHO, Portaria número 397/TEM de 09/10/2002, sob número 2515.50. Permitindo-o trabalhar como PSICANALISTA em todo o território nacional.

10 – Porque os cursos de CAPACITAÇÃO EM PSICANÁLISE são abertos para qualquer área do conhecimento humano?
É aberta para todos os interessados, porque não existe nenhuma lei no Brasil que determine o contrario. Nesse caso qualquer pessoa pode fazer o nosso curso de capacitação em psicanálise, sem restrições. Isto quer dizer que a capacitação em psicanálise não é exclusiva dos médicos e/ou psicólogos, como muitos pensam e tentam levar os outros a acreditarem nesta inverdade.

11 – Quais as áreas de atuação de um Psicanalista?
Há uma grande necessidade de psicanalistas para orientar as pessoas na solução de seus problemas existenciais, tais como: fobias, ansiedades, depressões, obsessões, impulsos auto e hétero agressivos, angústias e crises de toda ordem. O profissional de Psicanálise ajudará a sociedade a ficar mais humana e a vida a ter mais sentido!
Segundo o CB0 nº 2525-50 do Ministério do Trabalho e Emprego, no final do Curso de Capacitação em Psicanálise você estará preparado para atuar nas seguintes áreas:
 AVALIAR COMPORTAMENTOS INDIVIDUAL, GRUPAL E INSTITUCIONAL.
Triar casos, entrevistar pessoas, levantar dados pertinentes, observar pessoas e situações, escutar pessoas ativamente. Investigar pessoas, situações e problemas, escolher o instrumento de avaliação, aplicar instrumento de avaliação, sistematizar informações, elaborar diagnósticos, elaborar pareceres, laudos e perícias, responder a quesitos técnicos judiciais, devolver resultados (devolutiva).
 ANALISAR, TRATAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES
Propiciar espaço para acolhimento de vivencias emocionais (setting), oferecer suporte emocional, tornar consciente e inconsciente, propiciar a criação de vínculos paciente-terapeuta, interpretar conflitos e questões, elucidar conflitos e questões, promover a integração psíquica, promover o desenvolvimento das relações interpessoais, promover desenvolvimento da percepção interna, mediar grupos, família e instituições para solução de conflitos, dar aula.
 ORIENTAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES
Propor alternativas para solução de problemas, informar sobre o desenvolvimento do psiquismo humano, aconselhar pessoas, grupos e famílias, orientar grupos profissionais, orientar grupos específicos (pais, adolescentes, etc., assessorar instituições.
 ACOMPANHAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES
Acompanhar impactos em intervenções, acompanhar o desenvolvimento e a evolução do caso, acompanhar o desenvolvimento de profissionais sem capacitação e especialização, acompanhar resultados de projetos, participar de audiências.
 EDUCAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES
Estudar caso em grupo, apresentarem estudos de caso, ministrar aulas, supervisionar profissionais da área e de áreas afins, realizar trabalhar para desenvolvimento de competência e habilidades profissionais, formar psicanalistas, desenvolver cursos para grupos específicos, confeccionar manual educativo, desenvolver curso para profissionais de outras áreas, propiciar recursos para o desenvolvimento de aspectos cognitivos, acompanhar resultados de curas, treinamento.
 DESENVOLVER PESQUISAS EXPERIMENTAIS, TEÓRICOS E CLÍNICAS
Investigar o psiquismo humano, investigar o comportamento individual, e grupal e institucional, definir o problema e objetivos, pesquisar bibliografias, definir metodologia de ação, estabelecer parâmetros de pesquisa, construir instrumentos de pesquisa, coletar dados, organizar dados, compilar dados, fazer leitura de dados, integrar produtos de estudos de caso.
 COORDENAR EQUIPES DE ATIVIDADES DE ÁREAS AFINS
Planejar as atividades da equipe, programar atividades gerais, programar atividades da equipe, distribuir tarefas a equipe, trabalhar a dinâmica da equipa, monitorar atividades das equipes, preparar reuniões, coordenar reuniões, coordenar grupos de estudos, organizar eventos, avaliar propostas e projetos,avaliar e executar as ações.
 PARTICIPAR DE ATIVIDADES PARA CONSENSO E DIVULGAÇÃO PROFISSIONAL
Participar de palestras, debates, entrevistas, seminários, simpósios, participar de reuniões científicas (Congressos, etc.), publicar artigos, ensaios de livros científicos, participar de comissões técnicas, participar de conselhos municipais, estaduais e federais, participar de entidades de classe, participar de evento junto aos meios de comunicação, divulgar práticas do psicanalista, fornecer subsídios às estratégias organizacionais, fornecer subsídios à capacitação de políticas organizacionais, buscar parcerias, ética e organizacional.
 REALIZAR TAREFAS ADMINISTRATIVAS
Redigir pareceres, redigir relatórios, agendar atendimentos, receber pessoas, organizar prontuários, criar cadastros, redigir ofícios, memorandos e despachos, compor reuniões administrativas técnicas, fazer levantamento estatístico, comprar material técnico, prestar contas.
 DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS
Manter sigilo, cultivar a ética, demonstrar ciência sobre o código de ética profissional, demonstrar ciência sobre a legislação pertinente, demonstrar bom senso, respeitar os limites de atuação, ser psico-analisado, ser psicoterapeutizado, demonstrar continência (Acolhedor), demonstrar interessa pela pessoa, ser humano, ouvir ativamente (saber ouvir), manter-se atualizado, contornar situações adversas, respeitar valores e crenças dos clientes, demonstrar capacidade de observação, demonstrar habilidade de questionar, amar a verdade, manter o setting, demonstrar autonomia de pensamento, demonstrar espírito crítico, respeitar os limites do cliente e tomar decisões em situações de pressão.

12 – Além da psicanálise existem outras formações terapêuticas que não são somente para médicos e psicólogos no Brasil?
Existem sim. Infelizmente a grande demanda por cursos de psicanálise em nosso país e algumas entidades pensando somente nos interesses financeiros passaram a ministrar cursos de CAPACITAÇÃO EM PSICANÁLISE e desenvolver trabalhos sem qualidade profissional e acadêmica. O que acabou chamando a atenção de forma negativa para a técnica e capacitação psicanalítica.
Algumas entidades que realizam tais formações terapêuticas, inclusive de psicanálise, somente aceitam como seus alunos médicos e psicólogos. Mas isto é uma determinação estatutária e de cunho pessoal destas entidades e não uma obrigatoriedade legal.
Como vivemos em um país democrático, temos que respeitar as posições destas entidades. Da mesma forma como elas tem que respeitar as nossas. Pois a leis existem para serem seguidas por todos os cidadãos.

13 – Se não existem leis para proibirem porque temos que nos sujeitar aos interesses de pessoas e/ou de entidades jurídicas?
Algo semelhante acontece com a acupuntura. Que também não tem regulamentação profissional no Brasil. Mas existem escolas e sociedades de acupuntura que somente aceitam médicos e profissionais da área da saúde de nível superior. Mas isso não quer dizer que os demais que não são médicos ou profissionais da área da saúde não possam trabalhar profissionalmente. Esta questão passa a ser algo de cunho político e com características morais e não legais. Mesmo porque na China e na Índia a maioria dos acupunturistas são analfabetos.

14 – O Reconhecimento de uma Associação Instituto ou Escola de Psicanálise por outras Entidades similares, e o seu Reconhecimento e Regulamentação pela Sociedade requer algumas exigências:

1º – Que a Instituição seja uma Entidade jurídica, oficialmente regulamentada nos órgãos oficiais da Federação Nacional, Estadual e Municipal em que se encontra instalada. Toda a Instituição de Psicanálise nesta condição é regulamentada pelo Ministério da Saúde e Ministério do Trabalho, Aviso 257/57.
2º- Que possua objetivos definidos e expressos socialmente, através de Estatuto oficializado em Cartório, que possua Regimento interno constante de normas e regras deontológicas mediadas por um conselho de Ética que norteia as relações entre os associados, entre psicanalistas e analisandos, entre a Associação e outras Entidades similares e a Sociedade como um todo.
3º – Que atenda as exigências pertinentes a construção do psicanalista, que se constitui de três eixos: Estudo teórico, Análise clínica e Supervisão.
4º- Que os seus associados sejam analisados e supervisionados por analistas credenciados para o exercício da Psicanálise.
5º- Para uma Instituição de Psicanálise ser reconhecida e regulamentada não implica que a mesma possua vínculos com Entidades fora do seu país, entretanto esse vínculo pode surgir. Na medida em que a Entidade se estabelece enquanto Instituição respeitada pela sociedade local pela credibilidade nos critérios éticos adotados é natural que aos poucos ela se expanda e forme laços com Entidades similares igualmente idôneas fora de seu território Nacional.
6º- Ressalta-se que o crescimento quantitativo de uma Instituição de Psicanálise deve ter como base a sua qualidade, a sua filosofia deve visar a promoção do bem estar social a partir da possibilidade de reconstrução do sujeito humano, que para tanto considera o ato analítico um meio de favorecer a esse sujeito resignificar os seus sintomas oportunizando favorecer melhorias em suas áreas básicas da vida. Quando uma Instituição de Psicanálise se estabelece espacialmente e torna-se conhecida pela sua postura idônea favorece a sua expansão gradativa, a partir do acolhimento de novos associados que compartilham com os valores da Instituição.


Pesquise no site

Assine a Nossa newsletter

Os campos marcados com um * são obrigatórios